fbpx

FatosOnline.com

Fatos e fatos a cada instante.

Edifício-sede do Banco Central no Setor Bancário Norte, em lote doado pela Prefeitura de Brasília, em outubro de 1967

BC dá “bom sinal” ao confirmar novas quedas na Selic, diz secretário

O secretário-executivo ressaltou que o governo recebeu de maneira “muito positiva” a decisão do BC

Ministro interino da Fazenda durante a viagem de Fernando Haddad a Nova York, o secretário-executivo da pasta, Dario Durigan, disse que o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) deu um bom sinal ao confirmar que continuará a reduzir a Taxa Selic (juros básicos da economia) em 0,5 ponto percentual. Segundo ele, o comunicado emitido logo após a reunião traz previsibilidade para os agentes econômicos.

“Com a sinalização de que essa queda vai seguir nas próximas reuniões, isso dá uma tranquilidade grande para o mercado, uma boa sinalização”, disse Durigan ao comentar a queda da Taxa Selic de 13,25% para 12,75% ao ano.

O secretário-executivo ressaltou que o governo recebeu de maneira “muito positiva” a decisão do BC e que o governo continuará a trabalhar para controlar as contas públicas, enquanto a autoridade monetária prossegue com o ciclo de redução dos juros. “Esperamos seguir fazendo nosso esforço, harmonizando a política fiscal, para que a política monetária siga nessa tendência, que é muito positiva para o país”, comentou.

Para Durigan, outro fato que emite bom sinal ao mercado foi o Copom ter decidido de forma unânime pelo corte de 0,5 ponto. Na reunião de agosto, o colegiado reduziu a Selic na mesma magnitude, mas com placar de 5 a 4, com o presidente do BC, Roberto Campos Neto, desempatando a votação.

Na ata do encontro do mês passado, o Copom explicou que os quatro membros que tinham votado por um corte de 0,25 ponto divergiam apenas em relação ao início do ciclo de corte dos juros. Eles queriam que a redução fosse menor em agosto, mas concordaram em seguir com cortes de meio ponto percentual nas próximas reuniões.

Sobre o Autor

Compartilhe este Fato: