fbpx

FatosOnline.com

Fatos e fatos a cada instante.

Deputado estadual Fabiano da Luz (PT) preside a Frente Parlamentar

Fabiano da Luz coordena Frente de defesa do serviço público e das empresas públicas

Com mais de 20 entidades sindicais, deputados catarinenses lançam frente em defesa do serviço público de SC. O ato aconteceu na Assembleia Legislativa, nesta terça (11)

Entidades sindicais e deputados lançaram nesta terça-feira (11), na Assembleia Legislativa de Santa Catarina (Alesc), a Frente Parlamentar em Defesa do Serviço Público e das Empresas Públicas. Entre as pautas, o maior foco foi para a revogação do desconto de 14% dos servidores aposentados que ganham menos do que o teto do INSS – a alteração ocorreu na última reforma da previdência, em 2021.
O deputado estadual Fabiano da Luz (PT), coordenador e proponente da frente neste ano, destaca que o objetivo principal é debater medidas e ações fundamentais para milhares de trabalhadores de todas as esferas públicas de SC: 
“Defendemos a valorização do serviço público e das empresas públicas, que são tão importantes para todos nós. São esses profissionais que atendem as pessoas lá na ponta”.
O parlamentar acrescenta ainda a importância de se manter as empresas públicas e cita como exemplo a Celesc e a Casan. 
“Existem áreas em municípios, principalmente no interior, que o custo para você levar energia e água é alto. Uma empresa privada vai cobrar por isso. No caso de uma empresa pública, o lucro que ela tem em uma cidade possibilita investimentos em regiões mais distantes. Fortalecer essa empresa pública é dar garantia de que o investimento do Estado chegue a todos os catarinenses”, acrescenta.
Além de Fabiano, participaram do lançamento da frente a deputada Luciane Carminatti (PT) e o deputado Marquito (Psol), além de mais de 20 entidades sindicais. 
Jucélia Vargas, do Fórum Catarinense de Defesa do Serviço Público, afirma que é urgente revogar o desconto dos 14% da alíquota dos servidores inativos. Segundo ela, é preciso também que os trabalhadores deixem de apenas reagir às políticas do governo, mas passem a “propor um projeto de Estado que queremos”.
“É o serviço público que materializa o papel do Estado. Somos nós, os servidores, que tornamos real a saúde, a educação, a segurança e a assistência”, destaca.

Sobre o Autor

Compartilhe este Fato: