fbpx

FatosOnline.com

Fatos e fatos a cada instante.

Discurso do presidente Lula durante a abertura do fórum Novo Pacto de Financiamento Global, em Paris. Foto: Ricardo Stuckert / PR

Lula cobra que debates sobre mudanças climáticas incluam redução de desigualdades

Em discurso na Cúpula por um Novo Pacto de Financiamento Global, presidente do Brasil reforça necessidade de mudanças nos organismos de governança para atender à atual geopolítica mundial

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva cobrou de governantes mundiais uma luta unida contra a desigualdade em suas várias vertentes e a mudança de órgãos internacionais para melhorar a governança global e retratar a nova geopolítica do planeta. O posicionamento foi durante discurso na abertura do Novo Pacto de Financiamento Global, fórum organizado pelo governo da França em Paris, na manhã desta sexta-feira, 23/6.

» Íntegra do discurso do presidente Lula

“Se nós não discutirmos a questão da desigualdade e se a gente não colocar isso com tanta prioridade quanto a questão climática, a gente pode ter um clima muito bom e o povo continuar morrendo de fome em vários países do mundo”

Luiz Inácio Lula da Silva, presidente da República

Convidado a discursar sobre preservação do meio ambiente e combate às mudanças climáticas, o presidente lembrou que o Brasil irá sediar a COP-30, em 2025, pela primeira vez em um estado amazônico (Pará), mas alertou que as discussões entre os países também devem abordar como combater as várias formas da desigualdade.

“Eu não vim aqui para falar somente da Amazônia. Vim aqui para falar que, junto com a questão climática, nós temos que colocar a questão da desigualdade mundial. Não é possível que, em uma reunião entre presidentes de países importantes, a desigualdade não apareça. A desigualdade salarial, a desigualdade de raça, a desigualdade de gênero, a desigualdade na educação, a desigualdade na saúde”, disse Lula.

Para ele, a discussão sobre medidas para ajudar a garantir um futuro mais próspero para a humanidade deve, obrigatoriamente, incluir os mais pobres. “Somos um mundo cada vez mais desigual e cada vez mais a riqueza está concentrada na mão de menos gente e a pobreza na mão de mais gente. Se nós não discutirmos a questão da desigualdade e se a gente não colocar isso com tanta prioridade quanto a questão climática, a gente pode ter um clima muito bom e o povo continuar morrendo de fome em vários países do mundo”, criticou.

NOVA GOVERNANÇA – O presidente também voltou a enfatizar um ponto que tem feito parte da maior parte dos seus pronunciamentos, tanto no Brasil quanto no exterior, a líderes mundiais. Para ele, o mundo precisa aprimorar as instituições internacionais, visando uma nova governança mundial, de acordo com a geopolítica do presente, para coordenar esforços e apoiar as nações em necessidade.

“Se nós não mudarmos essas instituições, a questão climática vira uma brincadeira. E por quê? Quem é que vai cumprir as decisões emanadas dos fóruns que fazemos? É o Estado Nacional? Vamos ser francos: quem é que cumpriu o Protocolo de Quioto? As decisões da COP-15? O Acordo de Paris?”, diz Lula.

“Nós aqui precisamos ter claro o seguinte. Aquilo que foi criado depois da Segunda Guerra Mundial, as instituições de Bretton Wood, não funcionam mais, não atendem as aspirações e nem os interesses da sociedade. Vamos ter claro que o Banco Mundial deixa muito a desejar naquilo que o mundo aspira. Vamos deixar claro que o FMI deixa muito a desejar naquilo que as pessoas esperam do FMI”, declarou.

Segundo o presidente, a ONU precisa voltar a ter representatividade e força política, para que medidas importantes do ponto de vista ambiental possam ser aplicadas de forma global, como forma de combater os efeitos das mudanças climáticas.

Ele lembrou que diversos acordos internacionais firmados nas COPs acabaram não sendo cumpridos pelos países desenvolvidos, e que há necessidade de uma governança mais eficiente para que os acordos sejam efetivamente implementados.

“Se nós não mudarmos essas instituições, a questão climática vira uma brincadeira. E por que vira uma brincadeira? Quem é que vai cumprir as decisões emanadas dos fóruns que fazemos? É o Estado Nacional? Vamos ser francos: quem é que cumpriu o Protocolo de Quioto? Quem é que cumpriu as decisões da COP-15, em Copenhague? Quem é que cumpriu o Acordo de Paris? Ou seja, e não se cumpre porque não tem uma governança mundial com força para decidir as coisas e a gente cumprir”, cobrou o presidente brasileiro

Lula também se posicionou favoravelmente à inclusão de novos blocos e países nos principais fóruns internacionais de discussão. “Esses fóruns não podem ser um grupo de luxo. A elite política. Não. Nós temos que chamar os desiguais, os diferentes, para que a gente possa atender a pluralidade dos problemas que o mundo tem”, disse.
 

Presidente se comprometeu com desmatamento zero da Amazônia até 2030. Foto: Ricardo Stuckert / PR 

DEVER DE CASA – Pela parte que cabe ao Brasil, Lula reforçou o compromisso de zerar o desmatamento na Amazônia até 2030, de cuidar dos outros biomas nacionais, como a caatinga, o cerrado, o Pantanal e a Mata Atlântica.

“Vamos colocar isso como questão de honra, de até 2030 acabar com o desmatamento na Amazônia. O Brasil tem 30 milhões de hectares de terras degradadas, não precisa cortar uma árvore para plantar um pé de soja, um pé de milho ou criar gado. É só recuperar as terras degradadas”, disse Lula.

Outro compromisso expresso pelo presidente é com os mais pobres. Depois de ver o país sair do Mapa da Fome em 2012, como resultado de políticas sociais aplicadas em sua gestão e na da presidenta Dilma Rousseff, o Brasil voltou a apresentar, no fim de 2022, um quadro com 33 milhões de pessoas em situação de insegurança alimentar.

“Treze anos depois eu volto à Presidência e 33 milhões de pessoas estão passando fome. E agora temos que fazer tudo o que já tínhamos feito. Tudo. Vamos refazer tudo para o país voltar a crescer”, concluiu o presidente.

Sobre o Autor

Compartilhe este Fato: