fbpx

FatosOnline.com

Fatos e fatos a cada instante.

Santa Catarina tem o maior valor médio do Bolsa Família no Sul em setembro: R$ 693,59

Estado tem mais de 235 mil famílias contempladas neste mês nos 295 municípios, fruto de um investimento federal que supera R$ 162 milhões. Ao todo, Região Sul tem 1,48 milhão de famílias beneficiadas

Santa Catarina é o representante da Região Sul com maior valor médio do benefício do Bolsa Família em setembro: R$ 693,59. Ao todo, 235.175 famílias serão beneficiadas em todos os 295 municípios catarinenses neste mês por meio de um investimento federal de mais de R$ 162,78 milhões. O calendário de pagamentos tem início nesta segunda-feira, 18 de setembro, e prossegue até o dia 29 de setembro, de acordo com o final do Número de Identificação Social (NIS) de cada beneficiário.

Deste total, R$ 19,73 milhões serão destinados ao pagamento do Benefício Primeira Infância, que assistirá 144.658 crianças de 0 a 6 anos (7 anos incompletos) na composição familiar dos beneficiários de todo o estado com um valor de R$ 150.

Já o Benefício Variável Familiar, adicional de R$ 50 para gestantes e crianças e adolescentes de 7 anos a 18 anos incompletos, atenderá 11.300 gestantes e 201,2 mil crianças e adolescentes desta faixa etária em Santa Catarina. Para isso, estão reservados R$ 9,34 milhões.

Joinville é a cidade com maior número de famílias contempladas neste mês: 17.154. Outros cinco municípios têm mais de sete mil famílias atendidas: Florianópolis (15.523), Lages (10.674), São José (7.358), Itajaí (7.304) e Chapecó (7.075).

No quesito valor médio do benefício, o município de José Boiteux lidera, com R$ 792,21. Ele é seguido de Agronômica (R$ 783,37), Rio Fortuna (R$ 760,60) e Presidente Castelo Branco (R$ 757,50).

21,4 MILHÕES – Um total de 21,4 milhões de famílias de todos os 5.570 municípios brasileiros serão contempladas pelo Bolsa Família em setembro. O número representa aumento de 1,6% (337,8 mil famílias a mais) em relação a agosto, quando foram cerca de 21,1 milhões. O investimento do Governo Federal para os repasses é de R$ 14,5 bilhões e o valor médio do benefício no país chega a R$ 686,89, o segundo mais alto já registrado na história dos programas federais de transferência de renda.

O Benefício Primeira Infância, no valor de R$ 150, chega a mais de 9,4 milhões de crianças de zero a seis anos (7 anos incompletos) na composição familiar dos beneficiários, a partir de um investimento de R$ 1,34 bilhão. Já o Benefício Variável Familiar, adicional de R$ 50 para crianças e adolescentes de 7 anos a 18 anos incompletos e gestantes, atende 16 milhões de brasileiros por meio de repasses que totalizam R$ 743 milhões. São 750 mil gestantes, 12,6 milhões de crianças e adolescentes de 7 a 16 anos e 2,7 milhões de adolescentes na faixa de 16 a 18 anos.

COMPOSIÇÃO — As mulheres são ampla maioria no quesito de responsáveis familiares no programa. Em setembro, elas somam 17,7 milhões, o que equivale a 82,5% do total. Mais de 73% das pessoas beneficiárias do programa são de cor preta ou parda. No que diz respeito à composição familiar, a predominância é de famílias monoparentais femininas com filhos (independentemente da idade), que somam 10,6 milhões, ou 49,5% do total.

REGRA DE PROTEÇÃO — Medida que permite a permanência de beneficiários para famílias que elevam a renda até o patamar de meio salário mínimo por integrante do núcleo familiar, a Regra de Proteção alcança 2 milhões de famílias em setembro. Elas recebem 50% do valor total do benefício, incluindo os adicionais para crianças e adolescentes.

REGIÕES – O Nordeste, com 9,75 milhões de famílias atendidas e um investimento federal que ultrapassa os R$ 6,57 bilhões, é a região do país com maior número de beneficiários em agosto. O valor médio do benefício é de R$ 681,84. Em seguida aparece o Sudeste, com 6,43 milhões de famílias assistidas. Elas receberão um benefício médio de R$ 678,79, por meio de repasses que somam mais de R$ 4,3 bilhões.

A terceira região com maior número de contemplados é a Norte. Lá, mais de 2,6 milhões de famílias recebem um benefício médio de R$ 723,67, o maior registrado entre as cinco regiões. O investimento federal é de R$ 1,8 bilhão. A Região Sul, com 1,48 milhão de famílias assistidas, aparece na sequência. O valor médio do benefício é de R$ 684,86 e os repasses somam R$ 1 bilhão. O Centro-Oeste, por sua vez, tem 1,18 milhão de famílias contempladas em setembro. Elas recebem um valor médio de R$ 697,37 por meio da transferência de R$ 823,2 milhões.

ESTADOS — São Paulo (2,6 milhões de famílias), Bahia (2,5 milhões) e Rio de Janeiro (1,8 milhão) são os três estados com maior número de famílias contempladas pelo Bolsa Família em setembro. Outras cinco Unidades da Federação somam mais de um milhão de beneficiários neste mês: Pernambuco (1,67 milhão), Minas Gerais (1,65 milhão), Ceará (1,50 milhão), Pará (1,35 milhão) e Maranhão (1,23 milhão).

Sobre o Autor

Compartilhe este Fato: